Como ser um bom Product Owner: Siga 3 Fundamentos Essenciais

product-owner-vs-product-manager
Product Owner vs Product Manager: Será que conflitam?
05/01/2021

Antes de prosseguir para falarmos de como ser um bom Product Owner, devemos relembrar o que discutimos na lição de #02 sobre o Product Owner.

 

Nela falamos de certas semelhanças, e das diferenças de Product Owner para o Product Manager.

Vimos que atuação entre  o Product Owner vs e o Product Manager diferem no modo e na amplitude de suas atuações.

 

Dentre as diversas características de um bom Product Owner, tão importante quanto conhecimento técnico, é fundamental as competências e soft skills negociais para:

 

  • Antecipação de resultados;
  • Articulação entre diferentes áreas;
  • Refinamento de Requisitos;
  • Promover a boa produtividade;
  • Posicionamento de mercadológico;
  • Alinhar objetivos estratégicos e operacionais;
  • entre outros motivadores…

 

Assim com concluímos que não adianta sermos eficientes sem ser eficaz.

Nem sermos eficazes, mas produzindo muito mal.

 

O que nos leva a te apresentar os 3 Fundamentos de Como Ser Um Bom Product Owner e dar o próximo passo na sua carreira 😉

Confira:

 

1) COMO SER UM PRODUCT OWNER EFICIENTE?

 

Esta é a primeira etapa para a construção de uma carreira como Product Owner.

 

É natural que muitos Product Owners iniciem a carreira primeiro como Scrum Masters.

Entre os diversos aprendizados de um Scrum Master, está a criação de sinergia dos times de desenvolvimento do produto ou projetos.

 

team-building-sinergia

A alta performance de um time é alcançada quando há colaboração multidisciplinar de seus integrantes.

Assim, o Scrum Master consegue dominar as ferramentas e habilidades necessárias para impulsionar o desempenho das equipes envolvidas.

 

Isso antes mesmo de começar a desvendar os mistérios dos produtos/serviços.

 

Conhecendo as técnicas de refinamento de requisitos, gestão de backlog e de riscos eu pude aumentar a performance 4 times simultâneos quando comecei a atuar como Product Owner.

 

Claro que isso não é em único tiro! É uma evolução, Sprint após Sprint.

 

A seguir vou deixar algumas recomendações para quem pretende iniciar como PO mais eficiente.

 

4 RECOMENDAÇÕES PARA PRODUCT OWNER EFICIENTES:

 

  • Determine o tamanho do seu backlog.
  • Procure estabelecer prioridades ao longo da sua lista de pendências.
  • Agrupe seus requisitos por categorias.
  • Histórias de Usuários: Mantenha-os mais limpo e simples possível.

 

Com estas 4 etapas, já podemos observar em pouco tempo uma melhora considerável na eficácia e efetividade dos projetos e produtos.

 

Achou muita coisa???? Por isso é importante encontrar uma formação para Product Owners adequada.

 

Um bom treinamento em PO pode fazer muito por você neste sentido. 😊

E ainda tem a segunda pergunta do dilema:

 

2) COMO SER UM PRODUCT OWNER EFICAZ?

 

Esta é a segunda etapa para a efetivação da carreira de um Product Owner mais eficaz.

 

Depois de alguns anos em uma função tática e estratégica, eu pude aprender com gestores de produtos.

 

E contar com muita experiência focada em itens líderes de mercado.

E dentre as maiores conclusões que tirei é:

 

Ser eficiente não basta para atingir seus objetivos.

 

okr-objetivos-erros

Do que adianta construir um sistema hidráulico em tempo recorde, e conectá-lo ao esgoto no lugar da água potável?

Ser eficiente seria como fazer uma analogia de entregar um encanamento de água.

Podemos ajudar aos times a serem eficientes e entregarem o encanamento de água para o cliente.

 

Da maneira mais rápida possível, com a maior vazão possível, certo?

Mas e se a água não for potável?

Pior, e se ligarem o sistema hidráulico ao esgoto ao invés da caixa da água?

 

Mesmo que os canos sejam limpos, não sei se o cliente ficará satisfeito em usar o mesmo sistema hidráulico? Você ficaria? 😉

A analogia é simples. Mas quando falamos de objetivos, eles nem sempre são claros.

 

Afinal, muitos projetos são estratégicos. Sensíveis ao posicionamento do mercado.

 

Podem até ser críticos para a manutenção da identidade e da operação de uma organização.

 

Por isso elas nem sempre são verdadeiramente declaradas.

 

Então, para um PO evoluir verdadeiramente para a liderança estratégica de um produto, ele deve começar a ganhar a confiança.

Para assim compreender de fato o posicionamento de cada produto atendido.

 

E para isso, o Dono do Produto deve seguir 3 passos:

 

  • Perguntar o Porquê
  • Compreender o contexto;
  • Ser de fato estratégico.

 

Mas é o PO que faz as decisões finais, certo?

 

Pode ser, ou não, rs.

Vai depender da estrutura organizacional de cada empresa.

 

De fato, originalmente, o PO tem o papel fundamental de conectar a comunicação entre os clientes, partes interessadas, e time de desenvolvimento.

Por isso ele atua como uma ponte entre eles. Facilitando a comunicação.

E garantindo o sucesso do projeto/produto.

 

Então, digamos que sua empresa possui um único produto, e você tem feito todas as facilitações e definições de requisitos.

É bem provável que na prática, você seja o PO que toma decisões finais.

 

Mas este não é o objetivo final do Product Owner.

 

dilema-product-owner-negocial

Todo investimento em projetos e produtos tem objetivos que geram impactos para a empresa. Em geral espera-se que sejam impactos positivos, não é?

De fato, ele facilita a comunicação e a compreensão do produto.

 

De modo que os requisitos atendam às necessidades de todos os objetivos daquele produto ou projeto.

 

Ou seja, não é bem uma decisão direta do PO. Mas a decisão surge quando ocorre a articulação do Dono do Produto, para o melhor daquele produto.

 

De todo modo, é necessário que o dono do produto trabalhe cuidadosamente com os membros das equipes sobre o quê e o porquê desenvolver aquele projeto.

 

Faça planos e crie metas definidas para cada iteração significativa do produto.

Procurando revelar o impacto do produto e do processo de desenvolvimento.

 

Não há uma receita que atenda a todos aqui.

 

Há o que melhor atende cada situação e a cada empresa.

 

3) COMO SER UM PRODUCT OWNER ESCALADO?

 

Este é o verdadeiro dilema do Product Owner!

 

Eu já atuei como PM (Pro

duct Manager) e como PO. Em tempos separados em alguns projetos, e ao mesmo tempo em outros.

 

Alguns dos problemas que me recordo agora:

 

FALTA DE CONTEXTO:

 

dilema-product-owner-mensageiro

Não há nada de errado em ser um mensageiro. Só não é a função esperada de um Product Owner!

Como PO, pouco contexto era obtido em muitos dos casos.

 

    1. Isso porque quando trabalhamos em grandes empresas, assumimos projetos que já estavam em andamento por muito tempo.
    2. Muitos dos intervenientes passados nem eram mais vivos (digo na empresa, apesar de que alguns já não eram vivos neste planeta também, rs)
    3. Em casos assim, os projetos eram tão escalonados, que não seria possível trabalhar novas prioridades. Logo, ficamos ser entender o motivo pelo qual as prioridades são definidas.
    4. E assim o PO pode perder muita autonomia.
    5. Ou seja, nestes cenários, o Product Owner pode virar apenas um mensageiro.

 

AUTONOMIA E INCENTIVOS:

 

Já como PM, nem sempre seria possível incentivar os times a resolverem seus problemas.

 

    1. Na prática mais tradicional, este é um papel que não tem tanta interação com o time. Não como um PO teria.
    2. Assim, é comum que o PM fique muito distante dos seus colaboradores, para que ele(a) possa de fato impactar o desempenho de suas funções.
    3. Assim o PM parece um estranho no ninho.
    4. Como PM, até há como ser efetivo, mas é provável que, neste cenário, ele(a) perca a oportunidade de oferecer o contexto necessáriaopara atingir a eficácia do produto.

 

E O PRODUCT OWNER TEM SAÍDA PARA ESTE DILEMA?

 

Agora, atuando em uma função combinada de Product Owner / Product Manager, temos algumas vantagens:

 

  • Eu vi conceitos se concretizando, bem próximos do que foram idealizados.
  • É possível trabalhar na descoberta e na execução de novas oportunidades de produtos.
  • Foi possível encontrar, em conjunto, requisitos realmente necessários para aquele produto ou serviço. De maneira a antecipar suas entregas.

 

Por isso acredito que a responsabilidade do Product Owner é na verdade compartilhada com os times envolvidos.

 

E isso acontece quando o PO:

 

  • É responsável por prover o contexto e a eficiência necessária para o desenvolvimento do time.

 

  • Delega funções ou papeis a especialistas.
    • Nada disso seria possível sem uma equipe multifuncional, composta por diferentes competências.
    • Dependemos de toda autodisciplina para trazer alguma coisa para a mesa ao entender uma questão, encontrar uma resposta, ou até construir uma nova resposta.

 

  • Empodera o time quanto ao desenvolvimento do produto.
    • Mostrando ao time exatamente como funciona a responsabilidade compartilhada do produto.
    • Permitindo que os usuários da equipe controlem seu próprio Backlog/Sprint.

 

Assim, desenvolver uma carteira de produtos torna-se uma obrigação do grupo com o PO.

Que os direciona a fim de potencializar um time de sucesso.

 

MAS QUANDO DEVEMOS SEPARAR OS PAPÉIS?

 

Se você for o gerente de produto de uma empresa que é bastante pequena, ou ainda lida com um produto apenas, (ou possivelmente uma pequena categoria de produtos comparáveis), você pode ser capaz de cumprir os dois papéis.

 

Mas, uma vez que o gerenciamento de produtos tem um número muito maior de funções e responsabilidades, talvez você não tenha realmente muito tempo para ser o Product Owner ao mesmo tempo que é Product Manager.

 

Ou ao menos não será fácil conseguir isso de forma tão eficaz.

 

Se você gerencia um punhado de produtos grandes, cada um com um grupo dedicado de desenvolvedores, provavelmente não terá a capacidade de se tornar disponível a todos, não é mesmo?

 

Caso contrário, seria extremamente estafante! ☹

 

Imagine, a fim de realizar a sua parte como gerente de produto, você teria ainda que – comunicar-se com todos seus stakeholders profissionais; realizar de avaliação de mercado; participar de todas as reuniões com suas equipes de marketing, de todas as reuniões com consumidores, participar das vendas; etc.

 

dilema-product-owner-conflitos

Dependendo do tamanho da organização e da carteira de portfólios, pode ser inviável junção do papel do PO com a do PM.

 

SE DÊ O TEMPO NECESSÁRIO PO!

 

O que nos traz ao que todo bom Product Owner precisa: tempo.

 

Para realmente trabalhar nesta função, o dono de um produto deve estar comprometido com o time de desenvolvimento.

 

A ponto de estar disponível em todas as Sprints.

Ou em qualquer outro momento que se fizer necessário esclarecimentos.

Isso significa participar de todas as reuniões em que o produto for o foco.

 

Significa estar aberto para examinar e falar sobre todas as histórias do usuário.

Também significa estar disponível em qualquer fase do desenvolvimento do projeto.

Para responder às questões que surgirem.

 

Como podemos observar, há alguma sobreposição entre um gerente de produto e um dono do produto.

No entanto, eles atuam como dois recursos completamente diferentes.

 

dilema-product-owner-sobreposicao

Podemos até encontrar algumas funções semelhantes entre o PM e o PO. Porém, na prática, ambos cumprem propósitos bem diferentes.

 

Conforme uma organização cresce, e seu próprio portfólio de produtos se ampliam. Assim, o Product Owner pode ter que ser uma posição dedicada.

 

Então, se você quer aprender mais sobre isso, ou ainda é um Product Owner, Product Manager, Scrum Master ou mesmo Agile Coach, com um ano de experiência (ou mais), te faço um convite:

 

O convite para explorar todas as posições, ferramentas, habilidades e competências que pertencem ao um Scrum Product Owner Certified.

 

Se quiser conhecer mais, clique aqui para trabalharmos no próximo nível de um Product Owner que promove Eficácia, Produtividade e Eficiência em seus produtos e serviços.

 

Te vejo do outro lado!

 

Até breve! 😉

 

 

 

Andre Bueno Lima
Andre Bueno Lima
Há 18 anos participa, conduz e gerencia projetos em organizações com centenas de milhares de colaboradores. Já participou de dezenas de projetos nas áreas de logística, backoffice, operações, crédito, tecnologia da informação, em mercados de varejo, atacado e large corporate. Já ajudou diretamente em projetos de mitigação de desperdícios que geraram economias de mais de R$ 714 milhões. Fundador da AgileIT Coach Institute, formando especialistas e consultores ágeis. MBA em Finanças, Mestrando em Gestão e Desenhos de Projetos. Especialista em Tecnologias WEB, Certified Scrum Trainer SCRUMStudy, várias certificações SCRUM, Lean, Six Sigma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *